Compartilhe:

Bem, essa é uma das histórias que eu mais gosto! Acho muito bonita a transformação e a mensagem de que os laços de amor nos dão forças para conquistar tudo o que nos propomos a fazer de verdade.

O animal: João de Barro (macho) e Maria de Barro (fêmea).

Da família Furnariidae, mede até 19 cm de altura. Suas penas tem diferentes tons de marrom e alaranjado. Encontrado na Argentina, Bolívia, Paraguai e Brasil. No Brasil é encontrado em todo o território nacional, principalmente da Bahia, onde é chamado de “maria-barreira“ ao Rio Grande do Sul, onde é chamado também de “joão-barreiro”.

(Ocorrências registradas no WikiAves)

O canto do João de Barro lembra o barulho de uma risada e por isso o pássaro e associado com felicidades e boas notícias.

 

 

O Joao de Barro tem esse nome por construir seu ninho com barro. Uma curiosidade é que ele faz a abertura do ninho na direção contrária à da chuva e caso a femea nao seja fiel, ele fecha a entrada do ninho com ela dentro.

 

Veja que incrível esse video onde mostra a construcao de um ninho: A casa do João de Barro

 

A lenda é contada de diferentes formas, com diferentes nomes:   Jaé Bé Lé ou Jaebe para o nome do índio apaixonado. E Jaciara para o nome da india.

 

Vamos a lenda!

 

Há muito tempo, em uma tribo Guarani no sul do Brasil, um jovem chamado Jaebé se apaixonou  por uma índia da tribo, a Jaciara, filha do cacique da tribo. Ela também se encantou por Jaebé. Ele por sua vez decidiu pedi-la em casamento.

Antes dele, muitos índios demonstraram interesse em casamento com ela. Seu pai sempre dava um desafio para que o rapaz prove seu valor e amor.

Como costume, o pai dela ao encontrar com o jovem Jaebé, perguntou:

– Que prova você pode dar da sua força e determinação em quer casar com minha adorada filha?
– As provas do meu amor! – Jaebé respondeu prontamente.

O pai gostou da resposta, mas achou atrevido, então disse:

– O último pretendente de minha fila falou que ficaria cinco dias em jejum e morreu no quarto dia.

– Pois eu digo que ficarei nove dias sem comer nem beber nada e não morrerei.

 

Toda a tribo admirou a coragem do jovem apaixonado e se reuniu para assistir o desafio. Jaebé deitou no chão e o enrolaram em um pedaço de couro de anta e ficaram dia e noite vigiando para que ele não saísse de lá, nem fosse alimentado. A jovem Jaciara, chorava de medo e implorava à deusa da lua, Jaci,  que o mantivesse vivo. O tempo foi passando e no comeco do quinto dia, a filha pediu ao pai:

– Já se passaram cinco dias. Não o deixe morrer.

– Ele é arrogante, falou nas forças do amor. Vamos ver o que acontece.

Esperou então até o anoitecer do dia seguinte e ordenou:

– Vamos ver o que resta do arrogante Jaebé.

Quando abriram o couro da anta, Jaebé ficou em pé rapidamente. Seus olhos brilharam, seu sorriso tinha uma luz mágica. Sua pele estava limpa e tinha cheiro de perfume de amêndoas.

 

Todos ficaram perplexos! Quando o jovem viu sua amada começou a cantar e ao mesmo tempo saia de seu corpo uma luz muito forte. Ele estava se transformando em um pássaro! No mesmo momento raios do luar tocaram a jovem índia apaixonada, que também se transformou em um pássaro. E, então, ela saiu voando atrás de Jaebé, que a chamava para a floresta onde desapareceram para sempre.

 

Confesso que essa é uma das lendas que eu mais gosto! Uma história que lembra a força que o amor tem.

Ao mesmo tempo que existe essa lenda linda. O pássaro João de barro e conhecido por ser muito arisco. Existe uma outra lenda que fala sobre fidelidade dos

 

A lenda também foi contada através dos versos abaixo: Tonico e Tinoco João de Barro:

“O João de Barro pra ser feliz como eu

Certo dia resolveu arranjar uma cumpanheira

Num vai e vem com o barro da biquinha

Ele fez sua casinha lá no galho da paineira.

 

Toda manhã o pedreiro da floresta

Cantava fazendo festa pra’quela que tanto amava

Mas quando ele ia buscar um raminho

Para construir seu ninho, o seu amor lhe enganava.

 

Mai neste mundo o mal feito é descoberto

João de Barro viu de perto sua esperança perdida

Cego de dôr trancou a porta da morada

Deixando lá sua amada presa pro resto da vida.

 

Que semelhança marcando meu calendário

Só que eu fiz o contrário do que o João de Barro fez

Nosso Senhor me deu carma nessa hora

A ingrata eu põe pra fora aonde anda eu não sei.”

 

Me conta o que achou no instagram, @marisalmonson

 

Referências bibliográficas para este conteúdo:

SALERNO, Silvana. Viagem Pelo Brasil em 52 histórias. Ilustrações Carcamo, Companhia das Letrinhas: 22 reimpressão, 2019.
“João-de-barro – Lendas e Mitos” em Só História. Virtuous Tecnologia da Informação, 2009-2020. Consultado em 21/03/2020. Disponível: Conheça as lendas que envolvem o joão-de-barro, uma das aves mais populares do Brasil

João-de-barro – Lendas e Mitos Acesso em 22 de março de 2020.

Lenda e Pajada do João de Barro – Sites Acesso em 22 de março de 2020.

joão-de-barro (Furnarius rufus) | WikiAves – A Enciclopédia das Aves do Brasil Acesso em 22 de março de 2020.

Wikipedia –  João-de-barro Acesso em 22 de março de 2020.

Saúde Portal – disponível em http://www.saudeanimal.com.br/jbarro.htm Acesso em 18 de março de 2020.

Portal Brasil 500 Pássaros, João-de-barro: http://webserver.eln.gov.br/Pass500/BIRDS/1eye.htm. Acesso em 18 de março de 2020.